• facebook
  • instagram
  • twitter
  • youtube
  • twitch

Análise | Pantera Negra – Rei mostra a garra e deixa sua marca na história

by Carlos Henrique

25th March, 2018

Imparável Rei de Wakanda e dos filmes solo de super-heróis. Repercussão, bilheteria e representatividade. Prazer, meu nome é T’Challa, o Pantera Negra!

Pantera Negra só precisou de sete dias para alcançar a expressiva marca de US$ 520 milhões arrecadados ao redor do mundo. Impulsionado pelos espectadores estrangeiros – Reino Unido, Coreia do Sul e Brasil são os principais consumidores do arrasa-quarteirões de Ryan Coogler até o momento – e tendo quebrado recordes em sua estreia nos Estados Unidos, Pantera Negra deve entrar com facilidade para o seleto clube do bilhão, de acordo com o analista Paul Dergarabedian (via CNBC).

Pela segunda semana consecutiva, Pantera Negra está no topo da bilheteria americana. O filme arrecadou US$ 108 milhões entre os dias 23 e 25, somando até o momento US$ 400 milhões no país. Com esses números, Pantera Negra é atualmente o segundo filme com a maior bilheteria da segunda semana de exibição, perdendo apenas para Star Wars – O Despertar da Força (que fez US$ 149 milhões na época).

No mundo, o filme já arrecadou US$ 704 milhões e conta com nosmes de peso em seu elenco como: Chadwick Boseman no papel principal, Michael B. Jordan e Forest Whitaker. Danai Gurira vive Okoye e Lupita Nyong’o interpreta Nakia, as duas principais Dora Milaje do filme.

Lembrando que ainda está sem contabilizar China, Japão e Rússia – países onde ainda não foi lançado. Esses países são alguns dos mais tradicionais fregueses da Marvel e o histórico indica que este público vai engordar ainda mais a bilheteria

Os números também são notáveis no Brasil.

A estreia na última quinta-feira (15) levou mais de 1,7 milhão de pessoas aos cinemas, colocando o longa como a terceira maior estreia da Marvel no País. A produção sobre o primeiro super-herói negro mainstream da gigante dos quadrinhos ficou atrás apenas de Vingadores e Capitão América: Guerra Civil.

Vale lembrar também que esse é o filme de super-herói mais bem avaliado de todos os tempos no site agregador de críticas Rotten Tomatoes.

Em uma entrevista è ABC News, o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, afirmou que Pantera Negra é o melhor filme que o estúdio já fez.

E completou: “Circunstâncias do mundo mudaram drasticamente desde que começamos a trabalhar neste filme. Já era relevante naquela época, acho que é mais relevante hoje”.

ELENCO REPRESENTOU!

A tal da ‘representatividade’ dá as caras de tantas formas mas vamos destacar aqui além da óbvia influência afrodescendente, temos também abordagem sobre a situação de refugiados (que inclusive cria um vilão) e valorização do espaço da mulher (com as Dora Milaje, a guarda do rei, e a sociedade matriarcal) . A ideia do filme é mostrar que as barreiras que essas classes enfrentam, são coisas que existem desde o passado e deviam permanecer só lá, como aprendizado, mas infelizmente ainda são corriqueiras e devem ser solucionadas. E as soluções são bem exploradas no longa.

‘SACRIFÍCIOS’ PARA O SUCESSO E SUAS DIFERENÇAS

Falar do que não funcionou num filme considerado um dos melhores de todos os tempos não é tão simples, mas vou tentar. E começando com minha primeira impressão de algo que não é tão negativo. O filme não é um excesso de diversão pura. Não é que é chato, mas não achei tão leve ou blockbuster como os outros, exemplo Guardiões ou Vingadores. Mas isso é até muito bom, pois é só mais uma demonstração dele ser único e seu poder de revolução em Hollywood e no MCU. Dentre os filmes da Marvel deve ser o que tem menos minutos de risadas.

Como Wakanda é uma cidade com uma tecnologia avançada além do nosso tempo e os nossos personagens possuem poderes extraordinários, é lógica a necessidade do CGI. Mas talvez essa dependência tenha atrapalhado no visual de algumas cenas do longa onde isso tenha ficado notório. E quando se pensa em Plano Sequência e cenas de ação como vimos em Creed, diria que gostaria de ter visto mais segundos disso, mas a cena do cassino é o desfecho são espetaculares. Apesar disso, é nada que atrapalhe o desenvolvimento da história.

VILÃO ‘REAL’

Como eu gostei muito do vilão vou falar também um pouco de Michael B. Jordan e o diretor Ryan Coogler. Inevitável citar a química entre eles, que funciona MUITO bem, desde Fruitvale Station (2013) e Creed (2015). Recomendo muito que assista esses dois, se curtiu Pantera Negra ou até antes de assistir. Erik Killmonger é o melhor vilão da Marvel para mim até agora e te explico o motivo: ele é tão vital para o filme, quanto o T’Challa. Se o vilão principal dele fosse M’Baku ou Garra Sônica, teríamos um filme bom mas não com o mesmo impacto.

Um vilão que intriga e perturba os mais próximos do mocinho ou questiona suas ações a gente ja viu, mas um vilão que faz isso e ainda consegue fazer o bonzinho é o público compreender sua linha de atitude mesmo que relutante e discordantes, você não pode dizer que Killmonger agiu sem motivação. De forma equívoca e errônea? Talvez mas quem nunca agiu com raiva e com suas intuições? Aí que ele se gruda e acelera o motor do filme a um nível extremo. Eu soltei uns 3 “DESGRAAAÇA!” mentalmente, mesmo vendo concisão nas suas atitudes.

Bom, falamos mais de mais alguns detalhes na nossa Resenha:

WAKANDA FOREVER!

Só pela tremenda importância do entorno que rodeia essa belíssima filmografia, entra pro hall do cinema e pra história dos super heróis das HQs. Aí vem os resultados nas telonas e o Pantera Negra fez sozinho números e relevâncias superiores a heróis em duplas, e até mesmo, equipes consagradas como os Vingadores. Trouxe qualidade, bilheteria, crítica e provavelmente premiações. Não é só mais um filme de super herói, É ‘O FILME’ de super heróis e de qualquer coisa, #1 em quase tudo em 2018, que mal começou mas já tem trono ocupado pelo reino de Wakanda.

CURIOSIDADES EXTRAS:

by Carlos Henrique