Com prêmio no Grammy, Viola Davis faz história e se torna EGOT

Uma das principais atrizes de sua geração, Viola Davis voltou a fazer história. A estrela de Mulher-Rei (2022) sagrou-se vencedora no Grammy 2023 na categoria de melhor audiolivro, narração ou gravação de storytelling, pela versão em áudio de sua autobiografia Finding Me.

Com a vitória, Viola entrou para o seleto grupo de artistas considerados EGOT. A nomenclatura é utilizada para definir aqueles que já venceram prêmios do Emmy, Grammy, Oscar e Tony.

“Eu escrevi este livro para honrar a Viola de seis anos, sua vida, sua alegria, trauma e tudo. Tem sido uma jornada tão incrível. Acabei de me tornar EGOT!”, comemorou Viola ao subir ao palco para receber o prêmio. Para levar a estatueta para casa, ela venceu a disputa contra Questlove, Mel Brooks, Jamie Foxx e Lin-Manuel Miranda.

O grupo de celebridades que podem se chamar de EGOTs é formado por 18 pessoas. Com a vitória, Viola é apenas a quarta artista negra a entrar para a relação. Os outros foram Whoopi Goldberg, John Legend e Jennifer Hudson.

Aos 57 anos, Viola Davis venceu o Oscar de melhor atriz coadjuvante em 2017 por seu trabalho em Um Limite Entre Nós (2016). Sua vitória no Emmy veio em 2015 pelo papel de Annalise Keating em How To Get Away With Murder (2014-2020), o que a tornou a primeira atriz negra a vencer na categoria de melhor atriz em série drama. Ela ainda tem duas estatuetas do Tony, uma pela adaptação teatral de Um Limite Entre Nós e outra pela pela King Hedley 2º.

Fonte: UOL Cinema

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *