Gudbrand existiu na vida real? A verdade sobre o filme da Netflix

Quem já conferiu a trama de O Lobo Viking sabe que o filme norueguês aborda as lendas dos lobisomens. Obviamente, essas criaturas não são reais! Mesmo assim, as inspirações do longa trouxeram muitas dúvidas para os assinantes da Netflix. Afinal de contas: o viking Gudbrand existiu na vida real?

“Uma adolescente que acabou de se mudar para uma cidadezinha testemunha um assassinato brutal. Depois disso, ela começa a ter visões e desejos bizarros”, afirma a sinopse oficial de O Lobo Viking.

Elli Müller Osborne (Royalteen) e Liv Mjönes (Midsommar – O Mal Não Espera a Noite) estrelam este suspense eletrizante. A direção é de Stig Svendsen (King’s Bay).

Mostramos abaixo se O Lobo Viking é inspirado em uma história real! Veja se Gudbrand existiu de verdade.

Lenda de O Lobo Viking é inspirada em eventos reais?

No início de O Lobo Viking, o suspense norueguês conta a história do líder nórdico Gudbrand, o Sinistro (Gudbrand den Grimme, na linguagem original).

O personagem chega à Normandia no ano de 1050, junto com 20 navios vikings. Em uma abadia saqueada, ele encontra uma espécie de lobo preso em uma sala secreta.

Segundo a lenda, durante a viagem de volta à Escandinávia, o animal – que na verdade, era um Cão do Inferno – mata todos os vikings que viajavam nos navios. Na Noruega, ele se esconde nas florestas do país, iniciando uma linhagem de lobisomens.

Da maneira como a lenda é mostrada, muitos fãs de O Lobo Viking passaram a enxergar Gudbrand como uma figura real – o que está longe de ser verdade.

O personagem de O Lobo Viking é completamente fictício. O mesmo pode ser dito sobre a história do Cão do Inferno.

No folclore nórdico, existe um personagem chamado Gudbrand, mas ele não tem qualquer relação com o guerreiro de O Lobo Viking. Na antiga linguagem dos vikings, o nome “Gudbrand” vem do termo “Guðbrandr”, que significa, literalmente, “Espada de Deus”.

Ainda na história nórdica, um viking chamado Gudbrand aparece nos relatos de Håkon Sigurdsson, um dos Jarls da Noruega. Porém, esse personagem histórico também não compartilha qualquer relação com o Gudbrand de O Lobo Viking.

Já o conceito da “licantropia”, que fundamenta a trama de O Lobo Viking, está presente em  mitologias de (quase) todo o mundo.

Esse conceito surge tanto no Oriente quanto no Ocidente, sendo popularizado na Europa, principalmente, durante a Idade Média.

Na mitologia grega, por exemplo, o poeta Pausânias conta a história do Rei Lycaon de Arcádia – que é transformado em um lobo após sacrificar uma criança no altar de Zeus.

Em outra versão da lenda, Zeus visita Lycaon disfarçado de humano. Para testá-lo como um verdadeiro deus, o Rei mata um prisioneiro e serve suas entranhas para a divindade. Irado, Zeus o transforma em um lobo.

O Lobo Viking está disponível na Netflix.

Fonte: UOL Cinema

4 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *